quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Preciso Desacelerar!


Que droga, gripado novamente! Como se não bastasse a garganta ruim e o acúmulo de secreção, ainda preciso conviver com a rinite/sinusite! Droga, droga, mil vezes...

Por que estou me lastimando tanto, se fui eu mesmo que procurei tal estado? Envolvido com o trabalho e com a idéia de fazer a vida dar certo, fui acumulando funções e trabalhos. Pensei, ingenuamente, que iria dar conta disso, quem sabe por dois ou três anos e, após esse período, ir podando aos poucos tudo aquilo que não fosse satisfatório até atingir um equilíbrio. Completo engano. Após um ano de trabalho, em ritmo intenso, meu corpo pela segunda vez não resistiu ao impacto e desvaneceu. A pouco mais de dois meses tive uma pneumonia e agora um novo resfriado, seguido de amigdalite e laringite.

Pela segunda vez preciso desacelerar! Preciso tomar conta da minha saúde para que os planos de vida sejam realizados. Não quero cair na angústia do sonho perdido, do desejo não realizado. Preciso alimentar a esperança do "dever cumprido".

Enquanto escrevo estas linhas, encontro-me sentado no sofá da sala, com o Notebook no colo e o celular ao lado para economizar energia e facilitar o atendimento. A tosse é constante, estou com muita secreção, o nariz está entupido e há uma leve cefaléia (Dor de cabeça) que não quis se apresentar ainda tão intensamente. Liguei para o trabalho faz pouco tempo e pedi para marcar os atendimentos todos para a parte da tarde. Mesmo doente, os compromissos precisam ser cumpridos.

Recordo-me agora da minha adolescência e dos primeiros períodos da faculdade, quando, no auge da saúde, eu praticava exercícios físicos regulares, não perdia noites de sono e não tinha a metade das preocupações de hoje. Pensava que minhas crises existenciais eram as piores coisas do mundo, hoje vejo que há coisa pior, muito pior. A maioria de minhas crises começavam internamente e após algum tempo afloravam. Hoje está tudo invertido, a maioria das coisas foge ao meu controle externamente, e quem padece são meu corpo e meu meio interno. Eu que tanto prezo pela homeostasia (Equilíbrio orgânico) estou em queda livre, estou padecendo, estou doente. É lógico, ainda não é o fim de tudo, graças a Deus. Entretanto, se não pisar no freio agora, neste momento, as consequências podem ser desastrosas e irreversíveis.

Meu ritmo não é tão intenso quanto o de antes. As pessoas com as quais convivo estão percebendo isso a tempos, só eu não tinha me dado conta, ou será que eu não queria me dar conta?

Minha mente funciona a todo vapor, contudo meu corpo não responde tão prontamente. Concluí que isso envolve rotina, noites mal dormidas, alimentação inadequada e sedentarismo. O que me dá mais prazer no momento? Estar com minha família, estar com minha noiva, ler e escrever. Miro uma nova profissão, contudo esqueço que até conseguir tirar algum proveito desta, preciso executar com esmero aquilo que aprendi a fazer tão bem, e que é o motivo da minha ascensão e ruína, em diferentes graus e escalas.

Encerro minha tagarelice de hoje com um compromisso: Preciso recuperar minha saúde, escolher lugares e momentos adequados para descansar, passar mais tempo com as pessoas que amo e investir naquilo que amo fazer e desejo do fundo do coração desenvolver!

Palavras-chaves: Desacelerar, escolher, atenuar, dedicar, fé e amor.

0 comentários:

Postar um comentário

Postagens populares

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...