quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Diálogo Impertinente: Mulher de TPM!


Olá Pessoal,

Segue um diálogo que inventei onde um homem e uma mulher de TPM, marido e esposa consecutivamente, discutem sobre Amor e Traição. Escrevi este texto baseado numa conversa que ouvi um dia desses no metrô.

Espero que gostem! Ouvi três ou quatro perguntas da mulher, o restante foi invenção minha! Qualquer semelhança é mera coincidência!

Abração,

Flávio Nunes.


DIÁLOGO

Tema: Sobre a TPM – Traição e Amor

Cena de Teatro (Comédia)

- Amorzinho, você S-E-R-I-A capaz de me trair?

- Sim.

- Porque você faria isso?

- Eu nunca faria isso. Você perguntou se eu S-E-R-I-A capaz de trair e não se eu faria isso. Eu jamais faria isso com você!

- Mas então quer dizer que você não me ama?

- Claro que eu amo.

- Mas se você é capaz de trair, quer dizer que não me ama!

- Uma coisa não tem nada a ver com a outra. É justamente por te amar que eu não te trairia. Fiz uma escolha lembra-se? Não quer dizer que o pensamento não passe pela minha cabeça, não quer dizer que quando olho uma outra mulher e esta mostra-se atraente, eu, num primeiro momento, me sinto atraído por ela. Mas lembro-me de você, do amor que sinto por você, da escolha que fiz de estar com você e tudo aquilo que estava em minha cabeça desaparece.

- Você só quer saber de me enrolar. Fala assim e eu acabo acreditando em você e na sua falta de sensibilidade. Você me diz na cara que seria capaz de me trair e quer que eu acredite que nunca faria isso? Como posso acreditar em alguém que diz abertamente que poderia me trair?

- Não posso te convencer de nada. Só te digo os fatos. Você perguntou e eu respondi. Acho que não é para mim que deseja provar alguma coisa, mas a si mesma. Talvez sua insegurança lhe faça desconfiar de algo inexistente. Isso misturado à falta de confiança nas pessoas, aqui eu também me incluo, gera um turbilhão de sentimentos nocivos à sua saúde física e psico-emocional.

- Como assim psico-emocional? Você está me chamando de desiquilibrada? Mas ainda não me respondeu, você seria capaz mesmo de me trair?

- Sim, mas nunca faria isso. Já lhe disse isso.

- Por que não faria?

- Porque há uma distância entre o pensar e o executar. Amor eu jamais lhe trairia. Traição é diretamente ligado ao ato de enganar, à desconfiança, a insegurança,... e eu jamais faria isso, pois não gostaria que fizesse isso comigo. Vai me dizer que você nunca olhou um outro cara e se sentiu atraída por ele?

- Claro que não!

- Fale a verdade.

- Claro que não. Onde você quer chegar?

- Quero te provar que você pode ser tão culpada quanto eu nesta história.

- Não sou culpada de nada. Você está invertendo a situação.

- Não estou, só quero lhe mostrando os fatos. E um fato evidente é que você certamente, pelo menos uma vez, já deve ter passado ao lado de algum cara e este deve ter lhe chamado a atenção de alguma forma. Olhos, cabelos, ombros, pernas, etc... Não? Diga a verdade.

Silêncio.

- Já aconteceu sim. Mas eu jamais lhe trairia, nem seria capaz de fazer isso.

- Por que não?

- Por que eu te amo, gosto de estar com você e não te trocaria por ninguém nesse mundo. Eu só queria que você me amasse tanto quanto eu te amo. E não vejo isso acontecer.

- O que mais tenho que lhe provar? Já disse que te amo.

- Quando você fala, soa muito superficial. Parece que não tem a mesma emoção que eu. Você não tem noção do quanto é importante para mim. Se ao menos você soubesse disso, talvez me amasse mais intensamente e não teria dúvidas sobre o que sente por mim.

- Mas eu não tenho dúvidas sobre o que sinto por você. Isso você inventou agora. Em momento algum eu disse isso.

- Mas se é capaz de trair, não ama o suficiente. Por isso é fácil deduzir que tem duvidas sobre nosso relacionamento.

- Amor, preste bem atenção: Não tenho duvidas do que sinto por você, não lhe trairia com outra mulher e é com você que desejo passar o restante dos meus dias. Entendeu?

- Não é o suficiente falar assim. Sou exigente, você sabe disso.

- Sei. Mas não sou eu quem fica procurando chifre na cabeça de cavalo. Como um desejo de auto-afirmação, mesclado a certa dose de insegurança, te faz termos estes diálogos sem cabimento. Não vejo o porquê de discutirmos tais coisas. O que isso prova? Nada. Só traz aborrecimento. Cuidado para um dia não fazer uma pergunta que eu não possa te responder e isso gerar uma bola de neve que não poderemos controlar.

- O que você quer dizer com isso?

- Uma vez que a bola de neve começa a rolar, ela vai crescendo, crescendo e quando chega ao pé da montanha, destrói tudo que se encontra lá em baixo. Às vezes, esta destruição pode ser tamanha que não tem como reconstruir. Tudo é perdido.

- Você está falando em separação? Como você pode ser tão insensível assim.

- Olha só, eu vou sair um pouco. Bendita hora que você foi me perguntar sobre traição. Sinceramente, não tem como conversar com você hoje. Afinal, onde é que você está querendo chegar?

- Quero saber se você me ama de verdade!

- Te amo.

- Grosso! Por que falar assim tão grosseiramente. Isso demonstra que você não ama de verdade.

(Silêncio seguido de uma respiração profunda).

- Desculpa eu te falar uma coisa assim tão diretamente e abertamente, mas eu acho que quem não me ama aqui nessa historia toda é você! E se você está pensando que eu vou ficar aqui te bajulando, você está completamente enganada. Ou você é ciente, segura e acredita no meu amor e no que te digo, ou não chegaremos a nenhum denominador comum.

- Que grosseirão. Você não era assim quando te conheci. Você está mudando com o passar dos anos.

- E você não mudou nadinha? Só eu que sou o culpado na história?

- Claro que mudei. Mas você mudou mais. Você não pode agir grosseiramente comigo dessa maneira. Sou mulher e preciso ser tratada com carinho, admiração, respeito. Sou sensível.

(Risos dele).

- Você acha que não lhe trato com carinho, admiração, respeito,...?

- Não o suficiente.

- O que seria suficiente pra você?

- Sou exigente, já lhe disse varias vezes e você sabe muito bem disso. Você poderia me falar isso o tempo todo, como no inicio do nosso relacionamento. Apesar que nem no inicio você era romântico. Pra falar a verdade você nunca foi muito romântico.

- Acho que estou num tribunal, sou o réu e já fui condenado. Só por um milagre descido do céu, tipo aqueles que aparecem nos filmes: Abriu as nuvens, aparece uma luz e de repente tudo fica bem. Acho que só por um milagre para eu sair dessa.

- Você está sendo sarcástico. Odeio isso!

(Silêncio).

- Minha princesa, eu te amo. Falo isso o tempo todo, não diretamente claro, mas falo; te dou várias provas disso também, muitas vezes não concretamente, mas dou; sou fiel, sigo o manual do bom marido a risca e é isso que recebo em troca.

- Agora você começa com sentimentalismos baratos. Ta querendo me convencer de quê?

- Certa vez eu li que a cabeça de uma mulher é igual a caixa preta de avião. Nós nunca sabemos o quem tem lá dentro. Me convenço disso à cada dia!

- Existem os técnicos que sabem o que tem lá dentro. Mas para falar a verdade não somos tão complicadas assim, vocês é que não sabem entender nossos verdadeiros sentimentos e o que queremos.

- Para descobrir o que tem aí dentro eu teria que ser um psiquiatra e não seu marido.

- Você está me chamando de maluca? Já não basta a falta de amor, agora me chama de doida varrida.

(Silêncio, seguido de um tapa na testa, uma respiração profunda e uma vontade louca de coloca-la no colo e dar uns bons tapas em sua bunda).

- Acho que na sua infância, o que lhe faltou foram uns bons tapas na bunda. Se seus pais tivessem sido mais firmes com você, não teríamos essas conversas tão banais.

- Meus pais nunca encostaram um dedo em mim, não vai ser você que fará isso. Tente só para ver o que te acontece. Ligo para a policia e mando te prender sob a acusação de agressão. Ainda sou capaz de bater com algumas partes do corpo na cômoda do quarto só para dar mais ênfase à situação. Quem iria duvidar de mim, uma mulher tão frágil e indefesa?

- Querida, agora é você quem está sendo sarcástica. Estou perplexo. Como você pode ser tão fria a esse ponto.

- Abusa só para você ver o que acontece. Ai de você se tentar alguma coisa. Tu não sabe do que eu sou capaz.

(Silêncio).

- E você não sabe do que EU sou capaz! Tapa na bunda é o mínimo. Não é nada em comparação ao que posso fazer. Nem tente ligar para a policia ou qualquer outra pessoa. Antes mesmo que alguém descubra o seu paradeiro já estarei longe e você também. Eu ainda respirando, é claro.

- Louco! Você me mataria? Como seria capaz de fazer isso com a mulher que você ama.

- Pronto, agora você sabe que eu te amo.

4 comentários:

Anônimo disse...

Para chataaa ... KOSAKOSAKOSKAOSKOAKSOA engraçado...

Flávio Nunes. disse...

Olá,
Realmente ela é muito chata..rs.. Ainda bem que minha noiva não é assim..rs..
Obrigado pelo comentário!
Abração.

Mariana Albuquerque disse...

Nossa, o sujeito do casal que você viu no metrô era um anjo. A mulher em compensação...

Flávio Nunes. disse...

Olá Mariana,
O cara é muito tranquilo mesmo e possuidor de uma paciência sobre-humana..rs.. Ela também é bem amorosa, mas quando os hormônios oscilam...hummmm...rs..
Obrigado por mais esta visita! O Blog estará sempre de portas abertas!
Abração,
Flávio Nunes.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares