quinta-feira, 28 de abril de 2011

Preconceito + Assédio Moral!

Quê o destino reserva a uma mulher cujas raízes são nordestinas, que vem de uma família pobre, que não possui o português considerado culto, que à duras penas concluiu a universidade, cujos patrões e alguns conhecidos/"amigos" consideram-na depressiva, pessimista, egoista, hipócrita e fadada ao fracasso? Será que ela fez tanta coisa ruim assim para merecer tais injúrias?

Esta mulher, que hoje esta na faixa etária dos trinta anos, luta todos os dias para fazer o melhor que pode e ser aceita pela sociedade que teima em esmagá-la. Todas as noites ela chora interna e silenciosamente; todas as manhãs ela respira fundo, lava o rosto e a alma, veste-se e alimenta a esperança que tudo será melhor daquele momento em diante.

Sua simplicidade, ingenuidade e transparência desnudam sua alma. Pela maldade do mundo seu coração acumula cicatrizes. Cansada de sofrer retrai-se e volta-se contra tudo e todos. Desconfia até do amor. Convenceram-na que é louca, incapaz e limitada. É uma rara, linda e magnífica flor, que foi podada e pouco alimentada; restou-lhe os espinhos e um pouco de raíz, que utiliza para proteção e para captar as migalhas que lhe são dadas.

Deseja acordar desse pesadelo chamado vida. Deseja gritar e dizer verdades que existem apenas em sua mente e coração, à todos quantos a esmagam e a taxam de coitadinha. Qualquer um que não está em sua pele, desconhece tamanho sofrimento e desconforto.

Contra tudo e todos, ela ainda tem forças para sorrir, tem forças para sonhar; entretanto falta-lhe forças para equilibrar-se na corda bamba social. Tenta ininterruptamente aperfeiçoar seus estudos, atingir postos mais altos no trabalho, ser vista como alguém que pensa e tem boas idéias. Mas nunca cansam de esmagá-la. Olham-na com indiferença, olham-na como pedra bruta e sem valor, olham-na com desgosto e desprazer. Continua onde está, por caridade e não por mérito reconhecido. Mérito este também abafado pelos que se julgam “superiores”, “instruídos”, “Doutores”,... Ganham milhões às suas custas!

Ela, uma verdadeira lutadora, tem gênio forte e luta com garra e perseverança, mesmo inconscientemente. Gera pontos de tensão e defende suas convicções a ferro e fogo. Por isso torna-se mais perseguida e é mais humilhada. Sua postura de bondade, lealdade e honestidade é tida como ultrapassada, dizem nos corredores: “- Esta é uma qualidade de almas pobres e sem ambição”! Por desejar atingir o reconhecimento profissional por seus próprios méritos sem passar por cima de ninguém, é colocada de lado e “espancada” moralmente pelos gananciosos.

Esta mulher que vos falo é um retrato de muitas mulheres do passado e do presente, que não estão mudando o mundo porque o poder está nas mãos daqueles que visam mais o dinheiro que o coração, a reciprocidade e o amor. Esta mulher, muitas vezes tida como arredia, é uma fera machucada e medrosa, que anseia tornar o mundo melhor por seus próprios méritos e bondade. Esta mulher não é escolhida para dar aulas na universidade sobre mudança social, mas saiu de uma comunidade; lugar este que foi sua escola maior. Duvido que haja algum Doutor PhD com tamanha experiência. Esta mulher que é tida como incompetente pelos seus patrões e tenta desesperadamente implantar um pouco mais de amor nas relações entre os funcionários da sua empresa, cresceu como líder de inúmeros jovens e estudou para elaborar projetos voltados à área empresarial, acadêmica e social. Ela sabe o que faz e o faz muito bem; mas os outros ignoram piamente seus conhecimentos e retiram dela tudo o que tem para doar de melhor.

Esta mulher que pode mudar o mundo, hoje chora o preconceito existente nas vielas da vida! Desiludida, não entende o que “fez de errado”! Culpa-se pela corrupção alheia e não se dá conta disso. Ela, assim como inúmeras outras, espera o momento de mostrar que nasceu para ser feliz e mudar o mundo para melhor, através do amor e competência profissional.

De que lado você está? Como podemos ajudar?



10 comentários:

Caraminholas disse...

Infelizmente homens e mulheres são esmagados pela sociedade e pelos padrões impostos.
Enquanto a discussão sobre o Casamento Real for mais importante do que as vulnerabilidades sociais, tendemos a ficar no asfalto dos massacrados.

Flávio Nunes. disse...

Olá,
Após ler o seu comentário fiquei sem palavras! Concordo em gênero, número e grau.. Obrigado pela atenção e pela sua bela resposta!
Abração,
Flávio Nunes.

Ká Oliveira disse...

Oi Flá,
Assunto muuuito importante mesmo, princialmente por ser realidade e muitas pessoas não conhecerem sobre o assunto, chegando a tomarem atitudes extremas como disse o video.
Vamos divulgar!! Farei minha parte querido amigo!
Grande abraço

Flávio Nunes. disse...

Oi Ká,
Infelizmente já passei por este tipo de situação em algumas clínicas que trabalhei. Hoje porém, tudo está bem tranquilo.
Este texto foi inspirado na vida de uma pessoa muito querida e que sofre diariamente esta situação na pele!
Obrigado pela ajuda em divulgar este texto e tratarmos mais profundamente sobre este tema! Este tipo de situação precisa acabar dentro das empresas e na sociedade em geral!
Abração minha amiga!
Flávio Nunes.

Pedro Paulo Morales disse...

O assédio moral é um problema muito grande porque dificilmente consegue-se provar este tipo de atitude, o assédio vem do ato de perseguir alguém sem motivo aparente. Qual o limite entre assédio moral e uma brincadeira entre os colegas entre uma bronca do chefe e uma orientação. A diferença esta nas vezes que isso acontece e como acontece.
Porem o maior assédio moral que o ser humano pode sofrer é a falta de perspectivas para sua vida pessoal e profissional, o governo não consegue dar uma educação de qualidade e com essa educação o jovem não consegue emprego e sem emprego ninguém consegue ser feliz.
Penso que o assédio moral não deve existir se todos cumprissem as regras, seriamos mais felizes, conheço pessoas que se deixam ser assediadas e com o tempo perdem o controle da situação. Costumo pensar o que seria do mundo se muitos de nossos inventores e pensadores tivessem se deixado intimidar pelo assédio moral, talvez não teríamos muitos inventos, e os autores então, muitos foram desenganados e ridicularizados.
O assédio moral é crime, mas não devemos esperar que os outros nos estendam o tapete vermelho toda hora! Devemos sim tecer esse tapete ao mesmo tempo em que caminhamos com coragem para dizer, não gostei dessa brincadeira ou você não deveria falar assim comigo levantar a cabeça sacudir a poeira e ir em frente. Quem sabe faz a hora não espera acontecer!
Pedro Paulo Morales

Flávio Nunes. disse...

Boa noite Sr. Pedro Morales,
Vê-se claramente que este comentário foi realizado por uma pessoa que conhece as nuances e os meandros de um ambiente empresarial. Que grande honra receber a sua visita no Blog e também o seu comentário!
Suas palavras vieram para confirmar e fortalecer ainda mais a sede de mudança que o meio empresarial precisa realizar, para que todos na equipe sejam contemplados com o maior nível de satisfação e bem-estar. Uma empresa sadia é feita por pessoas sadias; nessa harmonia, toda a sociedade só tem a sair lucrando!
Tenha um ótimo final de semana!
Forte Abraço,
Flávio Nunes.
PS: "Quem sabe faz a hora não espera acontecer"!

Anônimo disse...

Uma vez escrevi um e-mail para o cliente explicando que a demanda estava muito grande e que o horário contratado não dava para fazer tudo. O chefe mandou a resposta: quando acaba sua TPM? Isso seria assédio? Fiquei muito constrangida.

Flávio Nunes. disse...

Olá Anônimo(a),
Muito bom receber o seu e-mail e saber o sentimento de uma pessoa que sofreu o Assédio na própria pele!
Não sei se você fez a pergunta para eu responder, mas de qualquer maneira a respondo; sim, ele ter indagado sobre a sua TPM, numa situação como esta, pode ser considerado Assédio Moral! Ainda mais por causar-lhe constrangimento. O Assédio Moral caracteriza-se por uma série de fatores que levam o assediado a sofrer "calado" a perseguição por parte dos chefes e/ou grupo de funcionários dentro da empresa! Os principais sintomas é o sentimento de constrangimento, impotência diante das atividades, desmotivação, dor de cabeça, medo de lidar diretamente com o assediador, distanciamento do trabalho, entre outros sintomas!
Mais uma vez, obrigado pelo comentário!
Tenha um ótimo fim de semana!
Abração,
Flávio Nunes.

PATRICIA BORGES disse...

há duas semanas atrás discuti com uma colega de trabalho e no calor do bate boca, disse a frase " só podia ser favelada", que na verdade não foi a questão de moradia e sim pessoa barraqueira.
A coisa tomou um rumo péssimo, quando percebi que tinha pego pesado demais na palavra, fui até a pessoa pedir desculpas, mas ela disse que era tarde demais.Gostaria de saber se o que fiz, quais as consequências?

Flávio Nunes. disse...

Olá Patricia,
Antes de tudo porem digo que não sou especialista em Assédio Moral e nem em assuntos relacionados aos Direitos Humanos. Sou apenas um escritor que vê e reflete o mundo que há à minha volta.
Meu primeiro conselho, e não estou sendo trágico e nem pessimista, é procurar um advogado, talvez do juizado das pequenas causas, e fazer esta mesma pergunta que me fez. Ele certamente saberá lhe orientar quanto as consequencias legais do caso.
O que penso sobre o assunto, de acordo com o seu relato, é que qualquer tipo de adjetivo pejorativo lançado sobre o outro, pode gerar consequencias ruins. Costumo dizer que no auge da nossa raiva, parar, respirar e sair de cena por uns 30 segundos é fundamental. Sabia que as maiores tragédias (Principalmente assassinatos), ocorreram nos primeiros 30 segundos de ira incontrolável, durante ou após uma discução acalorada? Graças a Deus a maioria das pessoas trocam "farpas" e palavras grosseiras, entretanto algumas pessoas vão adiante, e é aqui que se encontra o problema.
Quando uma pessoa não consegue "vencer" a outra numa discussão, ela tenta rebaixá-la ao seu nível. Isso é um fato! Quando os argumentos começam a acaber ou falhar, termos pejorativos e palavras de baixo calão começam a surgir. Este "Só podia ser favelada", independente de designar uma pessoa barraqueira, fez com que o seu desejo (mesmo que inconsiente), fosse o de rebaixá-la. Posso estar errado, mas neste ponto ela pode processá-la por "Defamação". A prova dela são os colegas de trabalhos que assistiram a cena e podem depor contra você. Este tipo de comentário está na mesma categoria de, por exemplo: "Só podia ser criolo", "Só podia ser índio", "Só podia ser mulher", "Só podia ser velho",... Em todos os casos, quem diz deseja inferiorizar o outro por ser quem é, ou por associá-lo a uma classe que considera ser inferior ou ruim em algum aspecto particular.
Espero que tenha ajudado de alguma forma. E reforço o conselho: Procure um advogado para conversar!
Abração e boa sorte,
Flávio Nunes.

Postar um comentário

Postagens populares

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...