sexta-feira, 29 de julho de 2011

A Cura de Floquinho!

Certa vez, na floresta havia um macaquinho de nome Floquinho, pulando de um lado para outro à procura um bom posto para dormir, segurou num galho muito fino e este se rompeu. Caiu de uma altura cinquenta vezes maior que o seu tamanho. As folhas amorteceram sua queda, mas não foram suficiente para evitar que Floquinho se machucasse. Não demorou muito para perceber que não conseguia se movimentar da cintura para baixo. Ficou muito triste e chorou tão alto que chamou a atenção de uma Garça que passava pelo local.

- Por que choras amiguinho? O que de tão ruim lhe aconteceu? Perguntou a Garça, demonstrando curiosidade e preocupação.

- Nã... não escolhi um bom galho e cai lá de cima... Agora não consigo andarrrrr...! Falava, soluçava e chorava.

- Não perca suas esperanças. Sei exatamente onde te levar! Falou a Garça.

- Sabe? Respondeu Floquinho. Onde é?

- Vou te levar até o Dr. Cric-cric! Ele é o melhor médico da floresta. Tenho certeza que ele vai te ajudar!

- Mas como vamos chegar até ele?

- Voando, é claro!

Nesse instante a grande Garça pegou Floquinho com as duas patas e alçou vôo. Não demorou muito e chegaram na toca do Dr. Cric-cric, que era o esquilo mais inteligente da floresta! Estudou filosofia com a Dona Coruja e aprendeu medicina com o Sr. Bugio nos anos que morou no lado oeste da floresta. Foi lá também que aprendeu meditação com o Mestre Jabuti. Quando algum bicho se machucava naquelas redondezas, era ele que cuidava.

- Chegamos! Falou a Garça, deixando o macaquinho e indo em direção a entrada da toca.

Antes mesmo que a Garça abrisse o bico, uma voz saiu lá de dentro:

- Só um instante, ja estou saindo. Estou terminando de escrever a última linha do artigo sobre "Sobrevivendo ao ataque de um predador - Como usar a lógica, os cipós e a pimenta a seu favor"! Após isso houve uma pausa e logo em seguida o velho esquilo saiu de sua toca.

- Sou o Dr. Cric-cric, muito prazer. Como posso ajudá-los? Perguntou o esquilo.

- Eu estava procurando um bom lugar para descansar, quando escolhi um galho muito fino! Ele quebrou e eu caí. Desde então não consigo movimentar minhas pa..pa..patas trazeirasss...! Disse isso e voltou a soluçar.

O Dr. Cric-cric se aproximou do Floquinho, analisou os olhos, boca, dentes, orelhas, escutou seu coração e pulmões, apertou sua barriga e até então estava tudo certo. No entanto, ao examinar suas costas, tocou numa vértebra quatro dedos abaixo da última costela. Nesse momento o macaquinho sentiu um alivio imediato.

- Já sei o que está acontecendo. Vou ali e já volto! Falou o esquilo, entrando em sua toca como um foguete.

Lá de dentro ouvia-se: "Isso não...isso é grande demais...isso é indequado...esse serve e esta no tamanho certo". Após isso, volta o esquilo correndo como o trem-bala!

- Pronto, eis aqui a solução do seu problema: Sementes! Disse o esquilo muito eufórico.

- Sementes? Como assim, sementes? Perguntou o macaquinho curioso.

- É para comer? Perguntou a Garça.

- Nada disso, estas sementes são para fazer pressão em pontos específicos nas suas costas! O Dr. Bugiu disse que aprendeu isso com um Panda. Ele disse que é uma técnica milenar e veio da China! Falou o esquilo.

Uma a uma ele posicionou as sementes nas costas do Floquinho e pouco a pouco ele foi relaxando, a dor passando e o movimento das patas voltando. Após 30 minutos de tratamento, Floquinho estava completamente curado! 

- Que maravilha, você me curou, você me curou... estou andando! Como posso fazer para retribuir o que você fez por mim? Falava o macaquinho que voltou a andar e pular novamente. 

- Não ia falar nada, mas como você tocou no assunto, preciso de um favor! Começou o esquilo.

- Pode falar, sou eternamente grato a você por isso!

- Volte para casa e de hoje em diante escolha bem os galhos que irá pisar! Não tente dar pulos maiores que as suas pernas e jamais confie em galhos finos e secos. Sobreviver na floresta requer agilidade, mas também uma boa dose de conhecimento. 


- Obrigado pelos conselhos! Disse Floquinho muito agradecido.


- Mas ainda quero lhe pedir uma última coisa! Falou o esquilo.


- Claro, peça o que quiser!


- Gostaria que você me ajudasse a semear as sementes que te curaram! Dessa forma, quando algo semelhante ao que ocorreu com você, acontecer com outro morador da floresta, saberei onde procurar as sementes. 


Daquele dia em diante, Floquinho foi embora e semeou vastos campos com as sementes que o Dr. Crir-cric lhe deu. Com o passar dos anos várias outras funções medicinais das sementes foram descobertas e Floquinho nunca mais caiu de galho algum.

2 comentários:

Ká Oliveira disse...

Olá querido amigo..
Que bom que Floquinho pode ser eternizado como um personagem numa fábula tão gostosinha..
Parabéns meu amigo!
Grande abraço

Flávio Nunes. disse...

Olá Ká,
De agora em diante o Floquinho encontra-se eternizado nas linhas desta pequenina estória e também nas suas memórias e de suas filhas!..rs.. Pois afinal, foram vocês quem deram-lhe este nome!
De hoje em diante você pode contar esta estória para suas filhas, e suas filhas para os filhos delas, e assim por diante..rs..
Obrigado pela amizade e carinho de sempre!
Abração,
Flávio Nunes.

Postar um comentário

Postagens populares

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...