terça-feira, 30 de agosto de 2011

Somos Catalisadores de Emoções!

Acordei. Após abrir os olhos dei-me conta que minha esposa já havia saído para o trabalho e eu estava só. Bateu-me uma leve angústia por não lembrar-me se ela teria ou não dado-me um beijo de despedida antes de sair. O fato é que estou só.

Na minha solidão, senti um desejo quase infantil de estar acompanhado, de encurtar a distância entre meu "eu" e o restante do mundo. Se quiser, num click ou mais interessante ainda, num só pensamento, posso chegar do outro lado do mundo, num instante. Entretanto não é esse tipo de proximidade que desejo. Sinto saudade da minha esposa.

Li certa vez: "Um santo não sustenta-se sozinho"! Estava escrito numa igreja, que pela arquitetura era bem antiga. Entendi por estas palavras, que um homem, mesmo aqueles que tendem à santidade, não vivem sozinhos e nem realizam suas obras sozinhos. Precisamos de amigos, colegas, conhecidos,... precisamos estabelecer contatos inter-pessoais. Não somos um fim em nós mesmos! Somos, se posso dizer assim, catalisadores de emoções.

O tempo passa ligeiro e foge por entre os dedos. A alguns dias eu nascia, a algumas horas eu era apenas um adolescente tentando compreender o mundo (Continuo, também agora como adulto, tentando compreender o mundo), a alguns minutos eu entrei e saí da faculdade, a alguns segundos eu encontrei a mulher da minha vida e me casei com ela. Uma vida pode ser tão breve quanto um piscar de olhos ou tão longa quanto o mais longo beijo dado na pessoa amada. Para que perder tempo pensando, se agir é muito melhor? Para que perder tempo com as dificuldades, discutindo falhas e erros corriqueiros, se num piscar de olhos tudo já ficou lá no passado? É tão difícil assim entender que a perecibilidade do tempo anda de mãos dadas com a discórdia e a morte? É tão difícil ver que este mesmo tempo anda abraçado e aos beijos com a maturidade, o conhecimento e a sabedoria? Tolos e cegos. Somos, a maioria de nós, tolos e cegos.

Vivemos uma vida à espera de um milagre e mal percebemos que o simples respirar, o simples ato de abrir os olhos, o simples amar são, per si, milagres cotidianos. Somos preguiçosos, procrastinadores e mesquinhos. É sempre mais fácil deixar para depois, e quando o tempo esvai é sempre mais fácil culparmos os outros pelas nossas fraquezas. Promovemos e incorporamos emoções/sentimentos a todos os instantes, sem perdermos nossa essência. Catalisamos tudo. Nesse jogo não há ganhador nem perdedor. Há, em verdade, uma busca constante pelo prazer, pelo conhecimento e pela sabedoria. Nessa ordem, consequentemente, a multidão, alguns poucos bravos e raros humanos conseguem atingir tais objetivos. Esperteza nada tem a ver com sabedoria. Dinheiro muito menos. Quem, ao longo da história já viu os mais ricos acabarem com a miséria do mundo? Sim, se quisermos erradicamos a miséria do mundo. Entretanto a pobreza jamais será erradicada. Isso não é possível porque um homem pode ter o que comer, beber, luxo e poder, mas pode ser pobre de espírito e vontade. Esse é um tipo de pobreza pessoal, intransferível e intransponível.

Em minha solidão, gasto tempo pensando, estudando, escrevendo, meditando, refletindo, amando,... Tempo que não voltará jamais. Tempo que, com certeza, não desperdiço com minhas mazelas, mesquinharias e pobrezas. Tento buscar aquilo que encontra-se além do horizonte, aquilo que ninguém vê, aquilo que ainda está por vir. No presente perco-me e reencontro-me. Agora, sou apenas eu e a saudade de minha esposa. Acordei pela segunda vez neste dia.



Foto: http://euliricando.blogspot.com/2011_03_01_archive.html

sábado, 27 de agosto de 2011

Livro: Presente Especial!

Olá Pessoal,

Passando para compartilhar com todos a minha grande felicidade. Hoje eu recebi um grande presente. Uma coleção completa da Abril, com os clássicos da literatura! Ganhei cinquenta livros de uma só vez!

Vejam a foto e compartilhem comigo essa grande felicidade!

Abração,

Flávio Nunes.


Acordar e Existir!


Convivência!


sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Estética e Conteúdo!

Nunca esteve tão em voga a preocupação com a estética! A cada ano, mais e mais academias são abertas nos quatro cantos do mundo. Em tamanha proporção surgem clínicas de estética, salões de beleza e spas. A cada mês surgem novos produtos de embelezamento, cremes para todos os tipos de pele, xampus para todos os tipos de cabelos, condicionadores, batons, perfumes, desodorantes, cremes de barbear, esfoliantes, maquiagens em geral, etc, etc, etc. Não sou contra o bem-estar físico e emocional das pessoas, muito menos sou a favor do descaso com o próprio corpo. Acredito que devemos cultivar bem os nossos corpos, afinal eles são o Templo do Espírito Santo. É nosso dever trabalharmos igualmente o que há dentro e fora de nós.
Existe uma ordem inversa entre a valorização do conteúdo e o seu recipiente? As embalagens estão cada vez mais belas e os conteúdos cada vez menores e de baixa qualidade. Vemos produtos de alta tecnologia surgirem à cada dia, mas basta uma pequena queda acidental, uma única queda, e podemos jogar mil, dois mil, três mil reais no lixo, em questão de segundos. Nos tornamos uma sociedade de descartáveis. Estamos cada vez mais perecíveis, rasos e vulneráveis.
O ser humano tem uma capacidade gigantesca de preocupar-se com sua imagem. Boas imagens, para muitos é sinal de qualidade. Eu não acho que isso seja uma verdade! Conheço empresas que contrataram as mulheres mais belas, os homens mais elegantes e vieram à falência por desavenças internas. Já vi, no entanto, pessoas simples, de vestes humildes e uma aparência simplória, serem mestres no quesito bem-viver e conviver!
Angustia-me os olhares tortos das pessoas quando me vêem chegando de calça jeans, camisa estilo polo e sandálias num restaurante, padaria, shopping, aeroporto, etc. Será que é pecado mortal não usar roupas de marca? Será que ninguém vê através da embalagem? Quão difícil está se tornando chegar ao coração das pessoas e compreendê-las da maneira que são? 
Não sou um alienado, sei dos meus limites, mas não preocupo-me exageradamente com a estética. Hoje em dia é quase uma ordem a mulher ser a mais bela, ou seja, a mais magra ou de corpo escultural, a com cabelos mais lisos, a com olhos mais sedutores, etc. Isso vale para o homem também, ou seja, tem que ter o corpo mais musculoso, barriga "tanquinho", pernas torneadas, um sorriso sedutor, cabelos lisos, barba sempre bem-feira, usar roupas elegantes e que valorizem o corpo, ser sempre carinhoso, simpático e se tiver muita grana, vira o príncipe encantado. Permanecer assim por mais tempo possível virou regra! Mas até agora não vi conteúdo algum nessas palavras. Você viu?
Acho que os seres humanos deveriam preocupar-se mais em serem compassivos, humildes, simpáticos, verdadeiros, cúmplices, honestos, éticos, amorosos, etc. Esse é um tipo de beleza que ninguém pode retirar e não se pode enganar. 
Quando trabalhamos só a casca esquecemo-nos do conteúdo! Com o tempo o interior apodrece e não tem mais como voltar atrás. Às vezes é preciso quebrar a casca e trabalharmos o conteúdo, para não o deixarmos morrer a míngua. 
Sejamos belos por fora e por dentro. Mas saibam que beleza verdadeira não tem nada a ver com salões de beleza, roupas de grife e dinheiro no bolso. 


O Ovo e a Planária!


Mal Humor!


Encontro de Gerações!


quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Emergência Clínica (Ficção)!

           
            - Issac, Issac, corre lá no centro cirúrgico e abre o oxigênio. Prepara tudo do jeito que eu te ensinei.
- Qual máscara usar Doutor?
- A média.
- Tudo bem.
Com essas palavras vi o garoto sair correndo do consultório e ir para o centro cirúrgico preparar o oxigênio. Pouco tempo depois eu cheguei com a paciente no centro cirúrgico. Ela estava com uma falta de ar muito forte e já ficando com a língua roxa.
- O que aconteceu Doutor? Quis saber o garoto.
- Edema pulmonar.
- De novo?
- De novo! Mas se concentra aqui, pois preciso de você com toda a atenção. Vai ali, pega a epinefrina e o broncodilatador.
- Achei a epinefrina, mas não o broncodilatador.
- Afaste-se um pouco, deixa eu ver a estante de medicamentos. Alí, pega ali na segunda gaveta a direita. Viu?
- Vi, está aqui.
- Abre para mim e puxa um “ml” de cada, em seringas separadas.
- Mas Doutor, eu... Antes que ele pudesse completar eu interrompi.
- Não é difícil, preciso da sua ajuda. Só tome cuidado para não furar o dedo.
Um pouco sem jeito e após poucos segundos a primeira seringa estava preparada, em seguida a outra. Era a primeira vez que Issac me acompanhava tão ativamente numa emergência. Vi que ele estava tenso, mas estava indo muito bem apesar da falta de experiência e prática.
- Vá ali e regule a quantidade de gotejamento do soro no equipo... isso, isso... feche um pouco mais... aí, aí...
- Está bom assim?
- Sim, muito bom. Agora pegue essa seringa, coloque no injetor lateral do equipo e puxe até o soro chegar aos dois “mls”. Após isso, prenda a circulação do soro e injete um “ml” do conteúdo. Entendeu?
- Sim, já estou fechando e injetando. Precisa ser devagar?
- Um “ml” rápido e o restante devagar. Com intervalo de vinte segundos entre uma e outra aplicação.
- Tá legal.
- Ao terminar pegue uma ampola de furosemida. E faça da mesma maneira.
- Tudo bem. Já preparo e faço a aplicação. Também direto no equipo?
- Isso mesmo.
Tudo estava andando muito bem até aquele momento. A paciente estava no oxigênio, com o acesso venoso bem posicionado, o soro corria bem e a medicação parecia fazer efeito, uma vez que a respiração voltava aos poucos ao normal e a língua já não estava mais roxa.
- Doutor?
- Pois não Issac.
- Sempre quis trabalhar em emergência, mas vendo toda essa correria, estou desistindo.
- Por que desistiria?
- Acho que nunca vou aprender a lidar com essa situação da maneira que o senhor está fazendo.
- Só tenho um conselho para lhe dar: Não desista.
- Mas é muito difícil identificar um problema tão sério como esse, saber quais medicações utilizar, como utilizar e em que momento utilizar. É muita informação para mim. Acho que não serei capaz.
- Ninguém nasce sabendo esse tipo de coisa. Todos nós aprendemos isso, é lógico que algumas pessoas tem mais facilidade que outras, mas tudo é uma questão de pratica. Na universidade aprendemos muita teoria, e a prática varia de acordo com a nossa dedicação. O fato é que qualquer pessoa pode fazer isso que fiz e ainda, muito melhor.
- Mas o que o senhor fez agora é muito bom e tudo foi tão rápido. Disse o garoto constatando a rapidez no atendimento e estabilização do quadro clínico da paciente.
- Realmente agimos rápido, mas para tantas outras questões, algumas vezes cometemos falhas. Falhas muitas vezes fatais. Infelizmente, somos humanos e não podemos nunca nos esquecer disso.
- Quero ser o melhor que conseguir.
- Se continuar do jeito que foi hoje, com certeza será muito bom um dia, quem sabe mais do que eu.
- Você acha?
- Claro que sim! Agora pegue os dois estetoscópios ali na bancada e deixa eu te ensinar como avaliar um pulmão com edema. Mas antes encoste o "esteto" em seu próprio peito e sinta a entrada e saída de ar dos seus pulmões. Só sabemos que algo está alterado se soubermos o que é o normal.


terça-feira, 23 de agosto de 2011

Gato que queria ser cachorro!

Olá Pessoal,

Esse vídeo é muito engraçado... fiquei rindo sozinho por muito tempo!..rs.. Vale a pena "perder" um tempinho com ele e dar boas gargalhadas!..rs.. Quem precisa de um cão se tem um gato dessem em casa?!?!..rs..rs..

Abração,

Flávio Nunes.





Crianças Definem o Amor (Por Jô Soares)!

Olá Pessoal!

Já ouvi várias definições de Amor! Mas este vídeo é muito bom! Sua particularidade está no fato de ser uma pesquisa realizada por educadoras, com crianças entre 4 e 8 anos de idade sobre o tema: "O que é o Amor"? Veja só algumas respostas dadas, narradas pelo Jô Soares!

Abração,

Flávio Nunes.




PS: Vídeo originalmente publicado no Facebook por uma grande amiga e madrinha de casamento!..rs..

Ação e Reação!

Olá Pessoal,

Achei esse vídeo no YouTube! Isso sim é uma bela sequência de Ação e Reação! O que você acha?..rs.. Assista até o fim...

Abração,

Flávio Nunes.




Estante Nova de Livros!

Olá Pessoal,

Passando para compartilhar com vocês uma grande alegria! Minha esposa e eu, conseguimos comprar nossa nova estante de livros! Na realidade precisaremos de uma igual a esta daqui a algum tempo, pois ainda tenho uma quantidade mais ou menos igual a esta em caixas, na casa dos meus pais, já contando com a minha Enciclopédia. Se não tivesse doado aproximadamente cinquenta livros à Biblioteca Municipal de minha cidade, antes de viajar para o intercâmbio a três anos atrás, teríamos que comprar uma terceira estante. Nessa aqui, estão todos os nossos livros até o momento!

Um dia desses, voltando para casa, refletia com minha esposa sobre a fase de transição que estamos vivendo! Tanto eu quanto ela fizemos curso de datilografia e pesquisamos em bibliotecas municipais os principais assuntos para os trabalhos do colégio. Hoje em dia as crianças quase não vão mais a uma biblioteca e o computador/internet tomou conta do ambiente de estudos e pesquisas para os trabalhos escolares.

Sou amante dos livros impressos! Acho que o e-book tem o seu lugar, mas nada substitui o toque e o cheiro do livro impresso em minhas mãos. A sensação de tocar as páginas, ler e ir passando as folhas uma a uma até o término da leitura é sem igual. Quero deixar esse pequeno legado para meus filhos! Mesmo que não aproveitem, mesmo que os queimem, mesmo que os vendam, mesmo que os doem,... vou cumprir a minha parte e deixar para eles um dos meus maiores tesouros.

Segue no fim do texto as fotos que tirei hoje cedo da estante, já montada! Ainda tem alguns livros que não li, mas com certeza já li mais de 90% deles.

Abração pessoal,

Flávio Nunes.


           
Nosso Cantinho de Leitura e  Descanso!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Encontro com Autores do "Novas Letras"!

Olá Pessoal,

Só tenho uma coisa para dizer, logo aqui, na primeira linha da minha postagem: "Skoob, skoob, Duu"! A famosa expressão dita pelo cachorro Scooby, do desenho animado "Scooby-Doo" é "Scooby, scooby, Doo", mas tomei a liberdade de fazer um trocadilho como forma de exaltação do meu ânimo e demonstração explícita de alegria! Não entendeu nada? Vou me explicar.

Para quem não conhece, o Skoob é um site de relacionamentos onde, entre outras coisas, tem como objetivo difundir e incentivar o hábito da leitura entre as pessoas. Ontem no Botafogo Praia Shopping, a Skoob promoveu um encontro entre autores e seus leitores. Entre outros, lá estavam as autoras Tammy LucianoLeila Rego, Patrícia Barboza e Graciela Mayrink!

A algum tempo venho acompanhando o trabalho da Tammy, Leila e Patrícia que, junto com outros autores, fazem parte do Projeto Novas Letras! Do Novas Letras fazem parte autores da cidade do Rio de Janeiro e São Paulo, que levam a diversas partes do Brasil uma relação mais estreita entre autor, leitor e o universo literário. Entre outros assuntos, o objetivo dos encontros é realizar um bate-papo com leitores sobre diversos temas, como criação de personagens, gêneros literários, inspiração para escrita,... além de debaterem questões ligadas ao mercado editorial no Brasil, desde o processo de escrita de um livro, a busca por uma editora, até a divulgação e distribuição das obras, que competem com livros estrangeiros e quase sempre não tem a mesma atenção.

Após essa prévia introdução segue a minha impressão pessoal sobre o encontro de ontem! Foi um ótimo momento de interação entre autores e leitores. A Tammy, a Leila, assim como a Graciela e a Patrícia, são pessoas simpaticíssimas. Soube do evento através da autora Tammy Luciano, na semana passada, prontamente conversei com minha esposa e fomos. Só para constar, além de escritor sou também Médico Veterinário, e na noite anterior eu estava de plantão. Saí do plantão, fui em casa, tomei um banho, nos trocamos e fomos para o Shopping, para o evento. Após o bate-papo, ganhei  no sorteio o livro "Até eu te encontrar" da Graciela, adquiri o livro "Sou Toda Errada" da Tammy, o livro "Pobre não tem sorte" da Leila e para finalizar, ganhei um belo autógrafo de cada uma! Pois é, tietagem total..rs..

Logo aí, no fim da postagem, segue a foto do encontro de ontem!

Abração,

Flávio Nunes.

Leila, eu e Tammy


Eu e Graciela


- Conheça um pouco do Projeto Novas Letras e seus autores:




PS: Nos vemos na Bienal do Livro do RJ em Setembro! Até lá.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Blaving!

Olá Pessoal,

Testando uma nova ferramenta aqui na net... espero que dê certo!

Abração,

Flávio Nunes.






PS: Essa mensagem de voz foi publicada no Twitter e no Facebook! Está tudo inter-conectado..rs..

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Vida a Dois!

Olá Pessoal,

Estou com dois projetos literários em pleno desenvolvimento, mas não posso evitar as novas idéias! Estava ontem, voltando para casa, vindo do plantão e pensando numa nova história. Me veio e invadiu meus pensamentos num brainstorm magnífico! Para não perder a ideia a coloquei aqui. Espero que gostem!

Abração,

Flávio Nunes.


Vida a Dois

          - O que você está fazendo aí? Já disse que não era para jogar isso no chão? Tudo bem, tudo bem... sei que não foi por querer. Venha cá e me dê um beijo.

          A vida de Frank era muito boa para um homem de trinta e cinco anos. Trabalhava numa empresa que o reconhecia e executava um tipo de função almejada por muitos amigos. Por exercer um bom trabalho, seu posto não corria o risco de ser abalado e seu salário quase sempre vinha acrescido de um bônus. O que muito lhe agradava e o motivava mais e mais. 

          Tudo estava indo muito bem até que sua relação em casa começou a ficar difícil. Na verdade nunca fora muito fácil, já que passava longas horas trabalhando e quase não dava atenção a sua filha. Sua única filha. Ela já estava com oito anos e voltava a ter atitudes tão estranhas quanto as que tinha nos primeiros três anos de vida. Recusava-se a falar e dar atenção. Deixava tudo fora do lugar, passou a destruir os móveis dentro de casa. Não era raro Franck chegar em casa e ver um novo buraco no sofá, ou potes jogados pelo chão. Para não ter maiores aborrecimentos, passou a relevar os estragos nos móveis e recolhia, silenciosamente, toda a sujeira deixada por ela durante o dia, na sua ausência. 

          - Você está ficando muito rebelde! O que está acontecendo com você? Não entendo por que está fazendo isso! Trabalho para mim e por você; para te dar todo o conforto possível! Não tem do que reclamar, tem tudo que precisa e deseja. Tem horas que acho que estou falando com as paredes.

          Não adiantava falar, por mais que tentasse, ela simplesmente não respondia. Olhava-o e agia como se não fosse com ela. No começo isso era muito relevante, mas com o passar dos dias, semanas e meses, essa relação o estava sufocando. Ela cada vez mais distante e ele, nosso pobre Frank, dividido entre seu trabalho e a situação familiar. 

          Ele fazia tudo em casa. Deixava tudo organizado, comida preparada, banheiro com papel, lixos limpos, fios em locais de difícil acesso e tomadas tampadas. Era um pai zeloso e muito atento. Mas sofria sozinho, escondido, trancado no seu quarto. A medida que o tempo passava, mais estava difícil conviver com alguém que não lhe dirigia a palavra. Mas em cada manhã procurava recomeçar, tentava deixar suas dores em casa e ia para o trabalho fazer o melhor que podia. Muitas vezes, pensava egoisticamente, que permanecer por mais tempo no trabalho era melhor que estar em casa com ela. Mas lembrava que ela era completamente dependente da sua presença e precisava de sua companhia. Assim, voltava todas as noites para junto da sua única companheira, sua filha Julie. 


domingo, 14 de agosto de 2011

Dia do meu pai!

Olá Pessoal,

Passo agora, já um pouco tarde, para desejar um Feliz Dia dos Pais para todos os pais e, principalmente, para o meu querido pai!

Hoje, infelizmente, não pude passar este dia com o meu pai! Ele está longe e cuidando da minha mãe, que está com a garganta muito inflamada. No entanto, tive o prazer de lhe telefonar e conversamos por alguns instantes.

É engraçado como, por mais que os anos passem, sinto a perecibilidade do seu lado orgânico, no entanto, a sua representatividade em minha vida jamais foi abalada por um só segundo. Hoje falo para todos que queiram escutar, que sou completamente apaixonado pelo meu pai. Ele é o único homem nesse mundo que digo, sem vergonha alguma, que amo intensamente!

Sem a sua garra, firmeza, objetividade, compaixão, altruísmo, empatia, conselhos, etc, etc, etc... eu nada seria e não teria chegado nem perto de onde cheguei. Se hoje sou quem sou, devo boa parte ao meu querido pai. Ele é o meu alicerce, o único que nunca me disse não, mesmo negando muitas vezes as minhas vontades!

Meu pai tem um tipo de amor muito particular. Um amor calado, um amor que faz, que age, que demonstra, que em nada se compara às palavras ditas e vazias lançadas ao vento. Sempre soube exatamente onde pôr os pés e como fazê-lo, para o bem de toda a família.

Sofreu na pele suas crises pessoais, e mesmo chegando bem fundo, soube pegar a água do poço e trazê-la nas mãos, para que minha mãe e eu matássemos nossa sede. Por amor, continuou firme, lutou, sofreu e venceu suas guerras interiores. Hoje, um guerreiro vencedor, está mais maduro e ama com mais facilidade que antes.

Hoje ele sabe que ganhou mais uma filha, e minha esposa um pai, que a muito havia perdido. Impressiona-me a facilidade que tem de abrir mão do seu próprio conforto, para ajudar-nos nos primeiros passos de uma longa vida a dois. Fico feliz em saber que trocou com tanta simplicidade e alegria o "te amo", pelo "amo vocês meus filhos"! Comove-me... deixa meus olhos rasos d'água!

Sem mais, deixo aqui a minha homenagem ao melhor pai do mundo, ou seja, o meu pai! Que mesmo distante, sinto-o bem perto! Em suas próprias palavras hoje cedo ao celular, aqui transcrevo: "(...)Que felicidade meu filho, poder ouvi-los e receber todo o carinho de vocês. Não estamos perto fisicamente, mas sinto toda a luz e felicidade de vocês chegando aqui, passando pelo telefone. Fique tranquilo, que só por você ter lembrado e me ligado, meu coração se encheu de alegria! Amo vocês (...)"!

Abração meus amigos e desculpem-me o texto adocicado! A verdade é que poderia escrever mais inúmeros parágrafos, mas atenho-me a estes poucos, com simples palavras vindas do coração de um filho muito honrado e cheio de saudades!

Flávio Nunes.


Foto: http://paraorkut9.com/Recados/dia-dos-pais/page/6

sábado, 13 de agosto de 2011

Céu e Terra!

Olho pela janela e vejo um céu nublado, cinzento. Algumas gotas caem, mas não chega a ser chuva, no entanto um choramingo!

Apesar de tudo, não sinto tristeza no ar, sinto um clima de compassividade, onde céu e terra se entrelaçam numa mescla de paz, felicidade e fertilidade.

Vejo as folhas nas copas das árvores dançarem no ritmo do vento. As vezes é um balé majestoso, as vezes uma valsa triunfal, ora um tango sensual, outrora é puro rock'n roll. Da gosto olhar as folhas e o vento dançarem num dia onde o céu choraminga de emoção o seu enlace com a terra. Tanta alegria se deve, no entanto, ao fato de saberem que dali a algum dias nascerão os frutos desse amor!



O tempo se esvai entre os meus dedos, fica registrado na parede de vidro algumas gotículas translúcidas e em minha mente o momento que jamais retornará. Único, tal qual você e eu, aquele momento eternizou-se em minha memória!

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Belezas do Rio!

A cidade do Rio de Janeiro é conhecida mundialmente por suas belezas naturais. Há entretanto, tantas outras belezas que pouquíssimas pessoas dão o devido valor. Cada cidade, principalmente as grandes metrópoles,  tem o seu charme e o seu encanto, o que permite-lhe ser única e apaixonante. Ouso dizer que uma cidade é um "organismo vivo" e que está para o Estado a que pertence e para o País, assim como o alvéolo está para os pulmões e estes para o restante do corpo.


Fora esta pequena comparação, desejo dar ênfase a um detalhe importante sobre a cidade onde moro, ou seja, a cidade do Rio de Janeiro. Hoje a tarde fui à Academia Brasileira de Letras (ABL)! Após dois anos morando aqui, esta foi a primeira vez que visitei a ABL! Um pé após o outro, fui caminhando e apreciando o lugar onde gigantes da literatura nacional viveram e conviveram com seus afins. Lúcio de Mendonça, Machado de Assis, Olavo Bilac, Rui Barbosa, entre outros tantos, passaram por onde eu hoje pus meus pés. 


Foi uma experiência única e tão importante quanto a que vivi ao visitar a Casa de Rui Barbosa e sua biblioteca pessoal, o Museu Nacional de Belas Artes, a Biblioteca Nacional e o Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Todos estes lugares, com exceção da Casa de Rui Barbosa, podem ser visitados a pé. Infelizmente os turistas desejam vir conhecer as praias e todas as outas "belezas naturais" que aqui se encontram!


Há um acervo inestimável em diversos países europeus, haja visto França e Itália! Não subestimo os encantos destes, mas acho que a cidade do Rio de Janeiro tem muito mais que praias! Somos muito mais que areia, água salgada e sol; somos também intelectuais das letras, somos também mestres nas artes plasticas, somos bons em músicas de todos os gêneros - inclusive música clássica -, somos bons em danças, somos bons em tantas coisas. Escrevo sobre o Rio de Janeiro pois é a minha referência mais palpável, entretanto se perguntássemos para um paulistano, capixaba, amazonense, alagoano, belo-horizontinos,... o que há de mais belo e encantador em suas cidades, veremos que esse amor pela terra que lhe abriga é nacional!


Por isso, peço para os turistas, estrangeiros ou nacionais, que quando visitarem a cidade do Rio de Janeiro, saiam um pouco da praia e invadam o centro histórico da cidade e vá conhecer as nossas belezas culturais. O mais legal de tudo é que sempre tem uma exposição gratuita, ou se a visita for paga, não desembolsará mais que R$ 10,00. Boa parte do conhecimento que tenho hoje foi adquirida através dos livros, outra parte considerável foi adquirida pelas experiências de vida e o restante foi por ter a oportunidade de frequentar bons lugares, beber e me fartar de tanta sabedoria acumulada ao longo dos anos. Tudo muito normal, ao alcance de todos!




Foto: http://pt.wikipedia.org/wiki/Academia_Brasileira_de_Letras

domingo, 7 de agosto de 2011

Crônicas Veterinárias!

Quem dera eu, por um segundo sequer, entender os humanos que tem os seus animais de estimação! Não sei o que se passa na cabeça de uma pessoa, não consigo entender os motivos que as levam a fazer tudo que eu digo e indico completamente às avessas! Se estou sendo cruel e injusto? Acho que não, pelo menos não completamente.

A situação funciona mais ou menos assim: O animal chega doente trazido por seu dono ou responsável, eu examino, verifico o problema, vejo se há necessidade de algum exame complementar ou indicação para algum especialista. Neste instante verifico se o caso inspira cuidados extras e se a indicação é ficar internado ou não. Caso não seja necessário ficar internado, prescrevo a medicação e envio o paciente e seu dono para casa. A partir desse momento algumas coisas podem ocorrer: 1) O cliente comprar as medicações, administrá-las e o paciente ficar bom logo; 2) O cliente comprar as medicações, administrá-las e o paciente não ficar bom logo; 2.1) O cliente pode continuar com a medicação de acordo com a prescrição ou ligar indignado, reclamando que o que prescrevi não está surtindo efeito algum; 2.2) Parar de administrar a medicação por conta própria; 3) Caso sinta-se inseguro, o cliente leva o seu animal de estimação em outro veterinário; 3.1) Leva-o só para contra-prova; 3.2) Leva-o para dizer que o antigo tratamento de nada adiantou e que gastou dinheiro atoa na consulta anterior; 3.3) É indiferente quanto à reputação do primeiro veterinário; 3.4) Fala mal do primeiro veterinário; 4) O novo veterinário aproveita a deixa para atestar a incompetência do seu colega de profissão, numa tentativa mesquinha de ganhar mais um cliente; 4.1) O novo veterinário aproveita parte da medicação passada pelo colega e explica que o tratamento é mesmo demorado; 4.2) O novo veterinário descarta completamente o antigo tratamento e diz que o outro não sabe o que está fazendo, prescreve medicações similares e envia o animal para casa levando todo o crédito; 5) Após tantas indas e vindas o cliente escolhe aquele que melhor lhe convir e passa a levar seu animal neste veterinário; 6) O paciente melhora ou piora, dependendo do caso e após tantas mudanças de medicação.

Existem uma série de fatores que levam as pessoas a terem animais de estimação, uma delas é a necessidade ontogenética de ter um outro ser aos seus cuidados, ininterruptamente! Parece loucura, mas é  mais pura verdade! As pessoas, podem não confirmar isso, mas bem lá no fundo, o que elas desejam é ter a sensação que estão eternamente cuidando de um "bebê"! Isso faz parte da natureza humana, assim como faz parte da natureza dos animais de estimação serem cuidados e pertencerem a uma família. Não se tornaram - e foram selecionados para isso -, animais de companhia à toa. Só que a ontogenia para eles funcionam um pouco diferente, uma vez que evolutivamente, todos os animais foram trazidos da natureza. Em maior ou menor proporção, o instinto fala mais alto e é nesse instante que os conflitos inter-específicos ocorrem.

É meu dever enquanto veterinário, tratar e informar as pessoas sobre as melhores praticas de manejo e bem-estar na lida com seus animais de estimação; e é meu dever também como escritor, relatar fatos e situações para que o maior número de pessoas tomem consciência que lidar com animais é muito mais que dar alimento, água, carinho excessivo e abrigo. Cada animal é um ser único, e como tal, são antes de tudo animais e não "filhos", "bebês" e afins. Se deseja que seu animal de estimação viva bastante e seja saudável, trate-o como ele é e não como um "humano" transmutado em pêlos, penas ou escamas!


Vídeos ilustrativos:











Foto: http://dsdiversao.blogspot.com/2010/11/perigosos-predadores-felinos-o-leopardo.html

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Comunhão com Deus!

Comprei a rosa que ia presentear a minha esposa, mas no caminho encontrei uma Igreja de portas abertas. Refugio sagrado em meio ao caos do grande centro urbano.
Entrei na Igreja, procurei um lugar confortável, deixei a mochila de lado, retirei do bolso o meu rosário, apoiei a rosa no meu braço direito e com o olhar fixo no altar, diante do sacrário, pus-me a rezar.
Acariciando meu rosário, não quis rezar o mistério do dia, quis apenas falar e colocar-me em comunhão com o Eterno Pai. Ele sabe dos nossos pedidos, sonhos, desejos e medos mais profundos. Ainda assim, colocar-se na condição de filho, ter por ele um amor inabalável e tecer um diálogo franco e amigável, é algo necessário à minha natureza humana. É Nele que encontro o meu refúgio e fortaleza, é Nele que encontro conforto, é Nele que confio, na cumplicidade, para contar minhas conquistas, meus momentos de felicidade, de amor e também para pedir ajuda quando preciso (“Tudo aquilo que pedir em meu nome, Eu vos lhe concederei”)! Agradeci e pedi!
Na Igreja, nos intervalos do diálogo com o Eterno Pai, não pude deixar de notar que pouquíssimas eram as pessoas que ali estavam. Havia uma senhora próximo ao altar, dois senhores à minha frente, um outro num dos bancos ao fundo e outro parado na porta, aquele que mais tarde pediu-me uma ajuda para comprar algo para comer. Fora isso, só uma senhora passou em direção à secretaria da Igreja. Lá fora centenas de pessoas transitavam, iam e vinham de/para todos os lados.
Ao todo, a contar comigo, sete pessoas dividiam aquele espaço. Lá fora haviam setenta vezes sete pessoas! Todas muito ocupadas!
           Terminada minhas orações, guardei o rosário, coloquei a mochila novamente nas costas, segurei a rosa, despedi-me do Eterno Pai, ajudei o necessitado e fui-me embora. Encontrei com minha esposa e lhe disse: “- Enquanto lhe aguardava, fui a Igreja rezar”! No que ela respondeu: “- Que bom amor, precisamos mesmo de muitas orações neste momento! Que Deus não nos desampare”! “- Amém”.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

A Palavra!

O homem é o que é por tudo aquilo que o torna homem. Aqui está incluso suas fraquezas e fortalezas. Por isso, o ser humano é o tamanho de sua bondade e de sua maldade; da sua capacidade de gerar dor e amor.

Por particularidades pessoais, somos capazes de mover o mundo segundo nossos pensamentos e através de uma ferramenta interessantíssima, a palavra! A palavra enquanto fonema, enquanto expressão e conjugações verbais, é capaz de definir quem vive e quem morre, quem chora e quem sorri, quem odeia e quem ama.

A palavra é a linguagem mais fantástica que o ser humano possui. Amo a palavra e o fato de conseguir comunicar-me por intermédio dela, fazer-me entender e transmitir emoções. Amo a língua portuguesa e, apesar de conhecer outra língua estrangeira, abandono completamente esta influência, pois desejo manter límpidas as minhas letras. É uma via de mão dupla a linguagem escrita, onde doo tudo aquilo que recebo! Tudo que fiz, faço e farei, deve-se à palavra! Sou eternamente grato à palavra, simplesmente por ter-me dado a capacidade de ser quem sou!

Sou um ser circundado de palavras por todos os lados. Transbordo palavras e da minha fonte há uma gama quase infinita de possibilidades. Sou a personificação das minhas palavras e todos que me conhecem, me lêem e assim trocamos letras continuamente, num rompante de jubilo e vontades de levar adiante o constante registro da vida em nossas páginas brancas. Quem consegue ler-me, conhece-me e uma vez conhecendo-me jamais volto ao estado de palidez. Desse momento em diante minha vida ganha cores, ao menos tons de cinza, mas alvo nunca mais.


Foto: http://www.planetaeducacao.com.br/portal/impressao.asp?artigo=1833

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Tudo bem?

Boa Tarde Pessoal,

Um vídeo para relaxar e descontrair um pouco! Ele fala por si só..rs..

Abração,

Flávio Nunes.




PS: Parabéns a Benvindo Sequeira, excelente ator, humorista, autor e diretor de teatro, cinema e televisão!

Sementes de Amor!

Que grande coisa é sentar diante do computador e fazer o que melhor sei fazer! Tenho planos e projetos inacabados, tenho anseios por mudanças satisfatórias no mundo, luto por causas polemicas, abro o peito e dou a minha cara a tapa, ofereço a outra face, despojo-me dos meus medos e inseguranças, dou mais um passo, e outro, tentando lançar no solo da sociedade coisas que valham a pena ser vistas, ouvidas, lidas, comentadas, refletidas e mudadas.

Tem certas coisas que são mais afirmações, outras trazem certas "verdades" e outras são perfeitas idiotices e maluquices. Devaneios tolos de uma mente tola, reflexões de um homem que transita entre outros humanos e vê refletido neles aquilo que em si mesmo há de mais bondoso e cruel. "Devemos ser a mudança que queremos ver no mundo", li certa vez. Mas que mudanças são estas? Se após a relativização da maioria das coisas ainda não consigo lidar comigo mesmo, imagine se conseguirei lidar com o mundo. O que é para mim, não o é para o outro.

Às vezes acho que estou dando murros em ponta de faca, que estou brigando com paredes de água e tempestades de areia em meio ao grande e vasto descapo que existe entre o que sou e o restante do mundo. Mas não desisto, não posso desistir. Se esmoreço nem que seja por um segundo, o meu antagônico ganha força e que serei eu diante das dores e malfazeres do mundo? Parece uma luta injusta e cruel, no entanto ainda continuo vivo e isso significa alguma coisa. É sinal que ainda há esperança, ainda há desejo de novo, ainda há desejo de felicidade e de amor.

Toma, dou-lhe meu coração! Você o deseja? Deseja tê-lo e cuidá-lo para que não morra à míngua? Ressequido tornar-se-á meu coração se não for dividido, dilacerado por causas justas e pelos inúmeros amores que tenho e ei de ter. Amor à Deus, amor à vida, amor à minha esposa, amor à minha família, amor à literatura, amor à ciência, amores e mais amores... eis o que desejo espalhar por aí! Sementes de amor!


Foto: http://danidiasl.blogspot.com/2011/06/quem-podera-fazer-aquele-amor-morrer-se.html

Postagens populares

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...