domingo, 1 de julho de 2012

Escrever, Motivar e outras coisas!

Hoje acordei com vontade de escrever. Não sei ao certo sobre o que, mas apenas deu vontade de deixar meus dedos correrem sobre o teclado e redigirem um texto do qual não tenho a mínima noção do que se trata. Ao menos o breu que ofuscava meus olhos e a rigidez que faziam doer minhas juntas se afastaram por alguns instantes, dando-me paz e conforto suficiente para trazer ao mundo aquilo que dentro de mim se encontra.

Que grande dom é este dado por Deus ao artista, de trazer à realidade algo que até pouco tempo não existia. Há diversas formas de tornar realidade aquilo que outrora só eram um emaranhado de impulsos nervosos e puro material etéreo. Para Platão, tudo do que precisamos existe no "Mundo das Idéias" e é de lá que este aqui, em que nós vivemos, pode tornar-se vivo e palpável.

Por falar em Platão, a poucos dias uma jovem me interpela sobre assuntos filosóficos e entre outras coisas, pergunta-me sobre qual o significado do "Mito da Caverna". Disse a ela: "Esta alegoria de Platão encontrada no livro 'A República', é umas das melhores explicações para o comodismo, sedentarismo,  preguiça,... e seus antagônicos. Posso lhe dar duas explicações sobre o mito da caverna...". E assim seguiu minha explicação por alguns minutos. Nem mesmo eu sabia que isso já estava arraigado em mim. Foi um momento de grande alegria, enquanto Médico Veterinário, tido como "inculto" por um produtor de cinema, poder dividir meus conhecimentos com outrem sobre questões filosóficas.

Apesar de trabalhar com clínico, tenho profundo desejo, se Deus me permitir, de um dia conseguir lecionar. Assim como meu amor pela literatura, desejo conseguir galgar também esta meta e, com orgulho, entrar numa sala de aula e passar meus conhecimentos a jovens mentes sedentas de conhecimento; muitas vezes rebeldes e desorientadas, mas sedentas por algo que as motive e as façam sair do padrão pré-estabelecido. Tenho visto que a rebeldia e qualquer movimento "contra-corrente" só ocorre por insatisfação. Se for possível quebrar o que causa fadiga, será possível gerar novos conhecimentos e maneiras de lidar com a realidade.


Foto: http://www.evangelismoemslides.com.br/?p=615

4 comentários:

Anônimo disse...

Sabes de minha admiração por ti, tenho acompanhado tuas postagens a algum tempo, adoro...
"Se for possível quebrar o que causa fadiga, será possível gerar novos conhecimentos e maneiras de lidar com a realidade" Isto é poesia, é ensinamento... De inculto você não tem nada. Grande beijo amigo.
Neide Assis

Flávio Nunes. disse...

Olá Neide,
Fiquei lisonjeado com o seu comentário. Tem dias que estou tão exacerbado, que não me ocorre nada para escrever. Hoje no entanto, bateu-me uma centelha de inspiração e mesmo não sabendo sobre o que escrever, o fiz; simplesmente por que meus dedos não se continham parados.
Obrigado pelo carinho de sempre!
Abração minha amiga,
Flávio Nunes.

Devaneios disse...

Nossa, adorei cada parágrafo. Principalmente este...
"Assim como meu amor pela literatura, desejo conseguir galgar também esta meta e, com orgulho, entrar numa sala de aula e passar meus conhecimentos a jovens mentes sedentas de conhecimento; muitas vezes rebeldes e desorientadas, mas sedentas por algo que as motive e as façam sair do padrão pré-estabelecido. Tenho visto que a rebeldia e qualquer movimento "contra-corrente" só ocorre por insatisfação. Se for possível quebrar o que causa fadiga, será possível gerar novos conhecimentos e maneiras de lidar com a realidade."

Mostras um pensamento muito lúcido. Falta gente como você no mundo, agindo e fazendo sua parte visando um futuro melhor e não apenas criticando a geração atual com o saudosismo e a nostalgia paralisante expressa na frase "no meu tempo..."

Parabéns!

Flávio Nunes. disse...

Olá "Devaneios",

Que felicidade saber que adorou cada parágrafo deste meu mais novo extravasamento!

Quanto à minha lucidez de pensamento, costumo manter-me assim o máximo de tempo possível, uma vez que é fácil perder-se em meio ás migalhas que nos são impostas (Entre outros, pelos nossos governantes) no cotidiano.

Sobre a nostalgia e o saudosismo, acho que são sempre válidos, uma vez que nos baseamos neles para não cometermos os mesmos erros de outrora. Devemos viver intensamente o nosso momento presente, uma vez que somos frutos do nosso tempo.

Obrigado pelo carinho e atenção,

Flávio Nunes.

Postar um comentário

Postagens populares

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...